quinta-feira, 30 de outubro de 2008

os meus Camaradas...

parece que era bom...
o imóvel terá de ser devolvido... será?

E aqui em Beja... como será?

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=115109

'danceiro' municipal...

Em Beja, comemora-se o 80º aniversário PAXJULIA - Teatro Municipal

Nas palavras do seu director, as comemorações começam e terminam com dança...

Um teatro que de teatro só tem o nome!

... e assim vai a politica cultural aqui, em Beja!

a noticia: http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?q=C/NEWSSHOW/23884

domingo, 19 de outubro de 2008

PSL volta e PPP





Pedro Santana Lopes, Volta
e Perdoa o Povo Português!

Açores... tão longe e tão perto da realidade

imagem da net



Segundo a agência de informação Lusa, o PS Açores mantém maioria absoluta, mas desce em relação a 2004.

a notícia do resultado.

O PS/A está em festa, mesmo com a esmagadora vitória da abstenção com 53,24 por cento.
O PS/A está em festa, mesmo mantento uma maioria absoluta com apenas 45070 votos e com 31 mandatos...

aí, aí...

e ainda, como se não bastasse, o Engº Sócrates destaca que o PS começo um ciclo com uma vitória...

aí, aí...

Lá teremos que ir chamar o Cavaco... para pôr ordem naquele bocado de terra molhada...

Aqui pelo Burgo, veremos... veremos!

Riscos OE/2009 segundo editorial do Diário Económico

Segundo Bruno Proença, no editorial do Diário de Económico de 17 de Out, "O Orçamento do Estado é, primeiro que tudo, uma lei de curta duração – vigora durante um ano – que fixa o limite de endividamento e de despesa para os vários organismos do Sector Público Administrativo."

Bruno Proença, alerta-nos para os ricos do OE/2009, por considerar o texto relevante, transcrevo-o na integra.

"... parece estranho que o país pare para discutir o Orçamento. O aparente paradoxo tem uma explicação simples: o Estado é responsável por gastar 46% da riqueza produzida em Portugal num ano. Portanto, o Orçamento é um poderoso instrumento de política económica que, quando é mal feito, pode transformar-se numa bomba que arrasa com a economia.
E não é assim tão difícil que isso aconteça porque o Orçamento é também uma previsão de receitas e despesas. Um exercício de risco feito com base na informação que se tem num dado momento. Porém, quando se começa a executar tudo pode acontecer. Portanto, há uma regra antiga que manda contar com o pior cenário: pouca receita e muita despesa.
Esta é a grelha que deve ser usada para avaliar o último Orçamento do Estado deste Governo de José Sócrates. As opções de política económica parecem ter sido as correctas – anti-cíclicas. Numa altura em que há uma recessão à porta, os dinheiros públicos devem ser usados para segurar a economia. Faz sentido aumentar os funcionários públicos, dar pequenas benesses às famílias e reformados e aumentar o investimento estatal. Ao mesmo tempo que se diminui a carga fiscal das pequenas e médias empresas, sem se agravar a dos outros. Obviamente que isto obriga a colocar a consolidação orçamental em ponto morto.
Os problemas chegam agora. No papel, o Orçamento parece bem. Mas as previsões não serão um exercício de fantasia? O cenário macroeconómico – a base de tudo, porque determina a evolução das receitas e despesas – é optimista. O crescimento económico de 0,6% para 2009 contrasta com a projecção de 0,1% do FMI para o próximo ano. O Governo argumenta que tem uma expectativa mais generosa porque teve em conta os resultados esperados para as suas medidas activas de política económica. A verdade é que o mundo está perigoso e não anda para aventuras. A crise económica e financeira está longe do fim e o pior ainda não chegou.
Se a situação económica se agravar, o ministro das Finanças terá fortes dificuldades em executar o Orçamento. As receitas podem faltar e não se vê grande margem de manobra do lado da despesa. O resultado seria deixar subir o défice. Bruxelas não vai levantar problemas se não passar dos 3%, mas não é bom para o país. Significava que a consolidação orçamental metia a marcha-atrás e se desperdiçava o que foi conseguido até agora.
O Orçamento do Estado para 2009 não começou bem. Arrancou aos soluços, espera-se que tenha uma execução mais tranquila. Mas Fernando Teixeira dos Santos vai ser obrigado a atenção redobrada. O piso está escorregadio, a visibilidade é baixa e espera-se que a tempestade piore. "

OE para 2009

imagem retirada da net



No passado dia 15, o Ministro das Finanças Teixeira dos Santos, apresentou a proposta do Governo para o Orçamento de Estado 2009, onde se pode ver uma breve apresentação de 16 diagramas em OE2009.

Para os mais rigorosos,
proposta de Lei do Governo para OE2009
e

Relatório do OE2009
para uns é BOM, para outros é MAU, para outros ainda é apenas um orçamento, para poucos é para ser rectividado, hà quem lhe chame de proposta de orçamento ou simplesmente O OE2009.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

TCB


Trio Cultural de Beja

três letras,
três palavras,
três personalidades, aliás, três personagens que constituem o Trio Cultural de Beja.

  • Efectivamente,
  • atão...
  • ña é?!
Quem será que é?
Quem adivinhar ganha um prémio.

Adenda: não é o Zé Carlos do gato fedorento.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

despedida...


Colhe todo o oiro do dia,
na haste mais longa...
da melancolia.

Eugénio de Andrade

Quantas vezes recorro
às palavras de Eugénio de Andrade
para poder suportar esta Cidade...
que já foi mãe,
mas agora é madrasta!

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

a desertificação do interior


"A desertificação do Interior"
um colóquio Blog PRAÇA DA REPÚBLICA
3 Out 14h30
Instituto Politécnico de Beja

O promotor do Colóquio está de parabéns pela iniciativa, espero que a seguir a este, outros se realizem...


Pessoalmente, gostava de ver debatidos alguns temas, nomeadamente:


- envelhecimento da população;
- sistema politico acutal manutenção ou reforma?
- Manipulação politico-partidaria do poder autarquico;
- politica cutural ou a sua inexistência?
- que cidade queremos?


- Movimentos independentes para o poder autarquico
... entre outros temas.



Não estarei presente neste colóquio porque estarei, ironia do destino, no Litoral Algarvio, mas estarei atento aos ecos que se fizerem!

Casa da Cultura?


Passo pela casa da cultura em Beja... e o que vejo mais não é do que um estaleiro...

quer dizer...

desperdicios de um estaleiro...

Esta é a Casa que se diz Da Cultura...

Só mesmo aqui no Burgo!