domingo, 22 de novembro de 2009

cumprir as obrigações constitucionais - fazer cair o Governo

Mário Crespo, no seu artigo de opinião publicado no JN no passado dia 16 vai buscar a história veridica de Mark Felt e faz um paralelismo com o actual estado demente da democracia Portuguesa face ao processo Face Oculta, ultimamente em forte ebolição...

Mário Crespo

Uma questão de honra

Mark Felt foi um daqueles príncipes que o sólido ensino superior norte-americano produz com saudável regularidade. Tinha uma licenciatura em Direito de Georgetown e chegou a ser uma alta patente da marinha dos Estados Unidos. Com este formidável equipamento académico desempenhou missões complexas no Pentágono e na CIA.

Durante a guerra do Vietname serviu no Conselho Nacional de Segurança de Henry Kissinger. Acabou como Director Adjunto do equivalente americano à nossa Polícia Judiciária. Durante vários anos foi Director Geral interino do FBI. Foi nesse período que Mark Felt se tornou no Garganta Funda. Muito se tem escrito sobre as motivações de um alto funcionário do aparelho judiciário americano na quebra do segredo de justiça no Watergate. Todo o curriculum de Felt impunha-lhe, instintivamente, a orientação clássica de manter reserva total sobre assuntos do Estado. Hoje é consensual que Mark Felt só pode ter denunciado a traição presidencial de Nixon por uma razão. Para ele, militar e jurista, acabar com o saque da democracia americana era uma questão de honra.

Pôr fim a uma presidência corrupta e totalitária era um imperativo constitucional. Felt começou a orientar em segredo os repórteres do Washington Post quando constatou que todo o aparelho de estado americano tinha sido capturado na teia tecida pela Casa Branca de Nixon e que, com as provas a serem destruídas, os assaltos ao multipartidarismo ficariam impunes.

A única saída era delegar poder na opinião pública para forçar os vários ramos executivos a cumprir as suas obrigações constitucionais.

Estamos a viver em Portugal momentos equiparáveis. Em tudo. Se os mecanismos judiciais ficarem entregues a si próprios, entre pulsões absurdamente garantisticas, infinitas possibilidades dilatórias que se acomodam nos seus meandros e as patéticas lutas de galos, os elementos de prova desaparecem ou são esquecidos.

Os delitos ficam impunes e uma classe de prevaricadores calculistas perpetua-se no poder. Face a isto, há quem no sistema judicial esteja consciente destas falhas do Estado e, por uma questão de honra e dever, esteja a fazer chegar à opinião pública elementos concretos e sólidos sobre aquilo que, até aqui, só se sussurrava em surdinas cúmplices.

E assim sabe-se o que dizem as escutas e o que dizem as gravações feitas com câmaras ocultas que registam pedidos de subornos colossais.

Ficámos a conhecer as estratégias para amordaçar liberdades de informação com dinheiro do Estado. E sabemos tudo isto porque, felizmente, há gente de honra que o dá a conhecer.

Por isso, eu confio no Procurador que mandou investigar as conversas de Vara com quem quer que fosse. Fê-lo porque achou que nelas haveria matéria de importância nacional. E há.

Confio no Juiz que autorizou as escutas quando detectou indícios de que entre os contactos de Vara havia faces até aqui ocultas com comportamentos intoleráveis.

E, infelizmente o digo, confio, sobretudo, em quem com toda a dignidade democrática e grande risco pessoal, tem tomado a difícil decisão de trazer ao conhecimento público indícios de infâmias que, de outro modo, ficariam impunes.

A luta que empreenderam, pela rectificação de um sistema que a corrupção e o medo incapacitaram, é muito perigosa. Desejo-lhes boa sorte.

Nesta fase, travam a batalha fundamental para a sobrevivência da democracia em Portugal. Têm que continuar a lutar. Até que a oposição cumpra o seu dever

e faça cair este governo.

... à boa maneira de MFL

fonte: www.correioalentejo.com

No pasquim do Município desta semana, a manchete reforça a minha primeira percepção "excelente táctica de defesa" de Jorge Pulido Valente - Recém chegado à edilidade Bejense.

JPV parece ter feito escola com MFL, mas acredito que JPV tenha aprendido com o passado e que tenha presente as palavras do Ex-Presidente da República - Jorge Sampaio quando este afirmou "... há mais vida para além do défice..."



camisolas da "rosa" e da "foice e do martelo"... irá parar no cinto?

No passado dia 21 de Outubro é publicado no JN uma entrevista ao recém eleito presidente da CM Beja - Jorge Pulido Valente - as revelações para uns foram, se me permitem "bombásticas" para outros "alarmantes" mas para mim... vejo nas palavras do Presidente eleito uma excelente táctica de defesa...

A manchete intitula "A gestão financeira foi um descalabro"

Presidente eleito da Câmara de Beja... promete "arrumar a casa" e resistir às pressões partidárias: "Não vamos trocar a foice e o martelo pela rosa"

Transcrevo na integra entrevista:

"Chegado de Lisboa há 20 anos, tendo como destino o Campo Arqueológico de Mértola, Pulido Valente tem em 1982 a sua primeira experiência autárquica como independente pela CDU.

Já em rotura com os comunistas, candidata-se à edilidade mertolense numa lista do PRD, sendo derrotado. Entre 1986 e 1998, é chefe de Divisão da Câmara de Beja, de onde sai para, até 2001, ser director regional do Ambiente. Nas Autárquicas de 2001, avança como cabeça-de-lista e ganha as eleições, repetindo o triunfo em 2005. A 11 de Outubro último, cometeu o feito histórico de derrotar os comunistas que lideravam a Autarquia bejense desde o 25 de Abril.

Considera-se o grande "conquistador" da autarquia comunista ?

Não sou anticomunista primário. O meu combate é por projectos de desenvolvimento. Em Mértola, houve uma grande divergência com a CDU. O centralismo democrático levou ao meu afastamento. Em Beja, concorri porque percebi que o resto do distrito não progredia se a capital não avançasse. Beja não tinha futuro e prejudicava o desenvolvimento dos outros concelhos. Não sou um tomba-CDU, como agora se diz. Depois de Beja, não vou para outro lado derrubar comunistas. Foi uma coincidência.

Que motivações levaram a avançar com esta candidatura ?

A principal questão é que o PCP não tem interesse no desenvolvimento, para fazer a bandeira de luta contra o Governo e o Partido Socialista. Quanto mais se desenvolver o concelho e o distrito, menos razões há de queixa e isso não interessava. Este Executivo não tinha qualquer estratégia e visão para o concelho, além da total incapacidade para gerir a Câmara. Está tudo de pantanas. Toda a gente manda e ninguém manda. As chefias são ultrapassadas pelos funcionários do partido. Não há prioridades, os projectos estruturantes foram abandonados. A gestão financeira dos últimos seis meses foi um descalabro. Em dois dias, nas festas da cidade, estoiraram 350 mil euros.

Os projectos deixados pelo anterior Executivo são para cumprir?

Há compromissos assumidos que não podemos voltar atrás. Dou-lhe o exemplo do relvado da Salvada que está em vias de adjudicação e que vamos manter. Alguns dos projectos seremos nós a considerar, mas existem promessas feitas e não foram concretizadas.

Afirmou que a Câmara de Beja está armadilhada. O que quis dizer com isso ?

A situação financeira está descontrolada. Começaram a gastar dinheiro nos últimos seis meses muito acima das possibilidades e há um conjunto de dívidas significativas a fornecedores. É necessária uma grande contenção e conseguir parcerias para equilibrar as finanças. É preciso definir com muito rigor quais são as prioridades, nas diversas intervenções a desenvolver.

Na Assembleia Municipal, a CDU por ter a maioria, fará uma política de "terra queimada"?

Aquilo que já anunciaram foi isso. Colocar todos os entraves possíveis à gestão municipal. Na minha perspectiva, é um disparate completo e um tiro no pé e arriscam-se a morrer daqui a quatro anos. Espero que haja bom senso.

A afirmação de que 35 anos depois a democracia chegou a Beja foi a resposta ao seu opositor da CDU que o acusou de ter sido "um reles funcionário?

E não só. As pessoas tinham medo de ser vistos connosco, porque sabiam que eram tomadas de ponta. Uma pessoa trabalhou na Câmara com um vínculo muito precário e se não entrasse nas listas da CDU foi-lhe dito que iria à vida. As coisas pioraram nos últimos quatro anos. Eu era director de departamento e quando concorri à Câmara de Mértola fui saneado. O próprio Carreira Marques disse que tal aconteceu por pressão política. Isto é inadmissível e não vai passar-se connosco.

Já afirmou que vai despir a camisola do PS e vestir a de "Beja"...

Não temos de seguir as orientações partidárias. Não admito que venham dizer-me que tenho de fazer assim ou assado. Em Mértola, nunca fiz fretes ao Governo e recordo a questão dos centros educativos e a luta que tive com a ministra e o secretário da Educação. Não vamos trocar a foice e o martelo pela rosa.

Que mensagem vai transmitir aos trabalhadores e aos munícipes ?

As pessoas podem estar descansadas e tranquilas. Vamos arrumar a casa, constituir as equipas de trabalho. Há tarefas muito urgentes, como, por exemplo, preparar o Plano de Actividades e Orçamento. Mesmo antes de tomar posse, já estão a ser feitas reuniões com diversas instituições, para adiantar serviço. Temos uma equipa preparada e espero a colaboração e compreensão dos munícipes. Ao contrário de que a CDU disse, não fugi de Mértola, deixando a Câmara na banca rota. Vamos encontrar em Beja um nível de despesas absurdo, apanhar uma situação terrível para pagar aos fornecedores. Nalgumas áreas, vamos apostar numa mudança radical, para ter resultados imediatos. Acreditem em nós.

Durante a campanha, propôs um "Pacto de desenvolvimento económico". Vai aplicá-lo?

Reunir com os partidos, apresentar a nossa estratégia. O pacto está assente em três vectores que visam a criação de riqueza e de emprego. Acreditamos que todos vão dar o seu contributo, para bem do concelho e dos munícipes."

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Parabéns MÃE!

imagem da net
Parabéns MÃE!
por teres nascido no dia que hoje comemoramos,
Por seres a minha mãe,
por seres uma mãe "galinha",
pelo teu amor incondicional...

que aos teus 70 anos se juntem mais uns quantos com Saúde, Alegria e Felicidade.
um beijo do teu filho