domingo, 17 de julho de 2011

Silêncios que se ouvem...

Ouvi o ruido das palavras escritas
ouvi o ruido do silêncio ensurdecedor

ouvi o grito da presença ausente
ouvi o vento
ouvi a lágrima perdida da tua ausência

também ouvi perguntarem por ti.

ouvi o cantar das cigarras
Ouvi o apelo dos girassóis

agradeço às cigarras e aos girassóis, ao Sol e à Lua, ao vento e ao mar
mas o tempo que não existe
esse
persite em querer a existir...

bem, abgradeço-te a ti
e à tua memória
o que sou
graças a ti!